05 julho 2009

Dezperado

Breyner 85
Rua do Breyner, Porto
Ontem




Desesperada fiquei eu hoje, ainda nem uma hora se tinha passado no novo dia que entrava, quando, na minha habitual letargia e reflexos de moribunda, vi o meu disco rígido externo cair da mesa em direcção ao chão de tijoleira, após o meu gato se ter acomodado atrás do portátil que é sempre um local aprazível para quem é mais friorento do que eu. Ainda sem que me tivesse inteirado de toda a tragédia que se avizinhava, e depois de ter seguido com a cabeça a trajectória descendente do baú informático, eis que finalmente me digno a levantar o cu do banco e a dobrar-me sobre o meu estimado – e de estimação - pneu michelin para apanhar o disco e recolocá-lo em cima da mesa (afianço-vos que tudo isto se passou em câmara lenta e ainda agora consigo ver a cena diante destes olhinhos que as chamas hão-de carbonizar!).
Aparentemente já me encontrava em estado de choque pois nem consegui reclamar com a besta obesa e mimada que é o paneleiro do meu gato. Do estado de choque ao estado de pânico, num ininterrupto ai-meu-deus!-ai-meu-deus!-ai-meu-deus!, foi um estantinho quando dou conta que o portátil não reconhece o dispositivo (como penso já ser de vosso conhecimento deus nunca aparece quando necessário e comigo chega a ter um a relação a roçar o mórbido; a minha sorte – ou azar! - é não acreditar nele). Levanto as mãos à cabeça quando me lembro de todas as cópias de segurança que nunca fiz e vejo todo o meu trabalho a ser sugado por um buraco negro enquanto me prostro mortificada, como quem sabe que a morte está próxima e vê toda a sua vida desfilar diante dos olhos, sendo que no meu caso eram milhares e milhares de fotografias que se esfumavam sem deixar rasto. É então que na minha cabeça começam a deslindar personagens na tentativa de encontrar um paramédico informático de confiança e rapidamente chego ao nome de quem me ajudou na compra do portátil. Dado a hora tardia, e sendo eu uma menina educada, ainda ponderei se não seria melhor deixar o pedido de auxílio para a manhã, porém o desespero falou mais alto e envio-lhe uma mensagem com muitos caracteres a explicar a situação mas que poderia ser traduzida numa única e pequena palavra como quem anuncia o fim do mundo: SOCORRO! Ele, na sua infinita bondade e paciência, estando acordado, telefona-me; e na sua infinita bondade e paciência, naquele tom de voz de quem está sempre muito calmo e em muita paz, faz questão de imediato me familiarizar com o pior cenário possível, assim como quem corta as perninhas à esperança, não fosse eu começar a voar demasiado alto nos meus delírios fantasiosos, mas sem que a matasse de todo o que me levou, num gesto do mais puro e visceral desespero, e numa vã tentativa de subornar o destino, a oferecer-lhe uma grade de cervejas caso conseguisse salvar os dados da minha caixa negra.
Foi assim que entrei no estado de catatonia, de quem tem que esperar pelo dia seguinte para saber um resultado de um importante exame de saúde mas que mais não pode fazer do que esperar. De tal modo em catatonia me encontrava que inclusive afaguei o obeso paneleiro do meu gato quando me deitei, não lhe conseguindo culpar pela tragédia que vivia, conquanto pensasse que um estufadinho de coelho vinha mesmo a calhar. Em catatonia adormeci e em catatonia me levantei, e à tarde, em catatonia e de coração nas mãos e politraumatizado na carteira, lá fui eu para a delicada intervenção e derradeiro diagnóstico.
Do estado de catatonia passámos ao estado nervosinha, e do desespero passámos à aflição, e era ver-me cá e lá, entre uma divisão e outra, não conseguindo manter-me na sala de operações durante muito tempo sem que sentisse que a histeria tomaria conta de mim, preferindo ficar nos entretantos na cozinha a olhar o relógio à espera que me viessem dar a notícia. Não obstante todo este meu frenesim, acabei por estar presente na hora da ressurreição, enquanto eu sorria radiosamente e vozes celestiais entoavam aleluia, embora de forma tímida na incerteza do tempo da frágil vida do disco agora despido e na incerteza do que se poderia salvar. Ainda fiquei ali um pouco, a ouvir-lhe os lamentos das dificuldades em bombear a informação, porém não assisti ao término das operações, pela necessidade de relaxar momentaneamente o meu contraído coração e mentalizar-me, enquanto me morre o sorriso nos lábios, que terei mais uma despesa a juntar a todas as despesas que este ano já comporta, principalmente àquelas que advêm da minha própria irresponsabilidade.
Resta saber se aprendo alguma coisa com isto, pois conhecendo-me como me conheço, provavelmente uma bigorna na cabeça não seria mal pensado!



(não é certo que consiga recolher todos os dados intactos, mas alguma coisa é melhor que nada!)

29 comentários:

i play everyday disse...

o tio patinhas quer um bico? lol
quanto ao disco, shit happens! mas melhores dias virão...

K disse...

Não só o Tio Patinhas quer um bico, como o dono da t-shirt! Daí que ele não queira ser identificado...ahahah (ok, se ele ler isto vai chagar-me a cabeça até mais não!)
Pois, shit happens! Sendo muito sincera já estava mais que preparada para a hipótese de perder praticamente tudo (tenho pouca coisa no portátil). Nesse aspecto chego a surpreender-me pois sempre fui muito dramática, e actualmente reajo da forma mais racional possível. Relativamente aos melhores dias que virão é que já tenho as minhas dúvidas, porque depois de um aspirador que parece estar a dar o berro, mais um disco rígido externo inutilizado, começo a pensar no que será que me vai acontecer a seguir...

Me disse...

Atão, e tens visto alguns filmes de jeito ultimamente?

K disse...

Epá, como pudeste constatar, além dos filmes com que a vida me presenteia e que me açambarcam por completo, nem por isso. Acho que ontem até ia dar um decente na televisão, porém eu encontrava-me demasiado combalida para ter paciência para visionar um filme, já para não dizer que deve ter dado tarde como tudo como é usual nos canais portugueses.

Devir disse...

the back izUP!

Samuel Alabastro disse...

E o tamanho da letra um bocado maior? Pode ser, ou é pedir muito?

K disse...

Devir, já te disse que os teus comentários às vezes não fazem sentido nenhum para mim??

Samuel, não querendo ser rude, nem mostrar desinteresse no bem-estar alheio, é realmente pedir muito. E eu passo a explicar porquê; este blog centra-se na fotografia, logo a escrita aqui será sempre secundária e acessória; é assim um extra para quem quiser eventualmente ler e nunca o ponto fulcral; sendo assim, o que sugiro, para quem tem maiores dificuldades na leitura e realmente quiser ler, é copiar o texto para o word e aumentar a letra.

Samuel Alabastro disse...

Ok...Ok...

Não me pareceste rude...

:)

K disse...

Sabes que por vezes as pessoas confundem a sinceridade/frontalidade com rudeza...

homesick.alien disse...

e deus bem sabe como tu és rude!! uma verdadeira mulher rude do campo!!

K disse...

Só tu (bem, um dos; mas não por isso menos importante) para me fazeres rir que nem uma perdida! Mulher rude do campo é muito bom!!!
Ti voglio bene!***

Target disse...

Para os menos familiares com os browsers, e sem terem que andar a fazer truques de magia e colar textos noutros programas, que tal um CTRL+ no teclado para aumentar o texto? Hein, que tal? :p
Quanto ao disco... eu era rapaz para torcer o pescoço ao gato. Mas tb... eu não tenho gatos, pelo que se alguma coisa acontecer ao disco, sou eu que torço o pescoço a mim mesmo, lol.

K disse...

Epá! As coisas que eu aprendo contigo!!! Giro! Mesmo giro! Acho que vou começar a pôr isso como nota de rodapé!
Quanto ao gato...a culpa é maioritariamente minha...não foi nada que já não me tivesse ocorrido...por isso a apertar o pescoço é mais a mim que a ele!

Cris... disse...

Opá, o moço da foto apenas estava a pedir esmola!

K disse...

Ahahahahah! Esmola?! Chamas esmola a um bico?? Bicos por compaixão? Olha! Não era mal pensado; vou recrutar umas quantas reformadas para o movimento.

E assim se acorda com a parvoíce toda! Ou então a culpa é tua!

Cris... disse...

Opá, quem mete na t-shirt essa chamada tão directa, é porque falhou nas tentativas prévias, e agora pede, desesperado, esmola!

Sim, compaixão!

Ou sou eu, que percebi tudo ao contrário!

47 disse...

Também já me aconteceu, é mesmo frustrante. nao recuperi nada porque caiu pelas escadas quando estava em modanças, e ficou feito em mais que muitos. curiosamente tambem foi por causa do meu gato que se sisma em roçar se nas pernas de uma pessoa quando desce as escadas. mas espero que tenha recuperado muita coisa.

K disse...

Mas nem o disco propriamente dito se aproveitou?? É que por exemplo o meu foi desmontado e ligado a outra board para conseguir-se aceder aos dados....
Ainda não sei o que se recuperou ou não; sei que tudo foi copiado mas estou à espera de um novo disco para poder ter novamente os dados e só aí vou ver o quão intactos estão ou não.
Relativamente ao gato, e como já referi, a culpa é mais minha que dele...e cópias de segurança a triplicar (conselho de informático!!) também já cá deviam cantar!!
Ah! E não me trates por você, credo!

Target disse...

Eh pah, isso do ainda não estar resolvido é manha dele... está apenas a seleccionar as fotos pornas que tens por lá, para não ocupar muito espaço no disco dele, ahah.
Imagina o rapaz fazer uma cópia de 250GB de fotos para ver mais tarde... quer dizer. Assim selecciona já, e diz-te que vai demorar apenas mais um pouco :p
Quanto aos gatos, se ainda não perceberam que têem em mãos bichos do Diabo... vejam! http://www.youtube.com/watch?v=w0ffwDYo00Q

K disse...

Deixa de ser idiota pá! É isso que tu fazes quando te pedem auxílio, é?!?!

Quanto aos gatos...já sabia! E já conhecia o video! É deliciosamente lindo! E fora o taco de basebol é mesmo assim!

Miguel disse...

Uma letrinha mais pequenina dificultava mais a leitura...
Penso eu de que!

K disse...

A explicação pelo tamanho da letra já foi dada em comentário anterior em resposta à mesma observação feita pelo Samuel. Em comentário anterior também, da autoria do Target, está explicado que o comando Ctrl+ aumenta todo o blog, logo a fonte.

Miguel disse...

Só vi depois... Sorry!

Mas podias aumentar as duas: as fotos e as letras...

du disse...

Quando vi a foto pensei: "só pode ser o branco...".

E não é que é mesmo? Gostei foi do cuidado de não mostrar pele, senão reflectia a luz :)

K disse...

Miguel, aumentar as fotos já eu pensei várias vezes. Quanto à letra mantenho a mesma opinião.

Du, o cuidado de não mostrar a pele foi dele para que não fosse identificado. Eu apenas respeitei. Mas pelos vistos não foi bem sucedido! ahahahahahah
E quem és tu que eu agora não estou a ver?....

du disse...

K, segundo o próprio, não nos conhecemos. E dado que foi preciso chegar aqui através de outro blog de fim-de-mundo, Alentejo, acredito que ainda não nos tenhamos cruzado.
Quando ao Chef Blanche, é animal que ando a tentar domesticar à quase 10 anos.

47 disse...

Entao? o disco? recoperou-se muitas fotos ou não?

K disse...

Du, vieste através do blog da Nikky? E o Branco lá se deixa domesticar?! Aquilo é um animal revoltado! Não sei bem é com quê....ahahahahahah

47, aparentemente, todas!!!! weeeeeeeeeeeeeeeeeee

du disse...

Vim por aí mesmo.
É um ser peculiar, um génio incompreendido ;)
(mas começa a entrar no bom caminho)