19 abril 2009

às vezes outra coisa qualquer

Cacilhas
Fevereiro 2007

14 comentários:

zamotanaiv disse...

shhhiu!

K disse...

shhiiiuuuuuu!!

Inconstante disse...

eu não tenho medo de ninguém, escusam de me mandar calar!
boa semana miúda. beijos

K disse...

Sua tonta, aqui não se fala de ter medo de alguém (tenho para mim que a termos medo de alguém é de nós próprios!!) nem muito menos se está a mandar calar! Mas eu sei que tu percebeste e que eu sou uma trenga! ahahahahah

Uma excelente semana para ti miúda. Beijo-te

PAULO LONTRO disse...

Às vezes o amor... no calendário...

K disse...

Sim, às vezes o amor. Ou as dúvidas de. Mas....no calendário? O amor tem data marcada??

PAULO LONTRO disse...

Se ouvisses mais o Sérgio Godinho não farias a pergunta...

K disse...

Porra! Mas eu oiço Sérgio Godinho! Mas pelos visto não tanto porque não me estou a lembrar dessa frase...ou sim...de que música é??

PAULO LONTRO disse...

Que hei-de eu fazer
Eu tão nova e desamparada
Quando o amor
Me entra de repente
P´la porta da frente
E fica a porta escancarada

Vou-te dizer
A luz começou em frestas
Se fores a ver
Enquanto assim durares
Se fores amada e amares
Dirás sempre palavras destas

P´ra te ter
P´ra que de mim não te zangues
Eu vou-te dar
A pele, o meu cetim
Coração carmesim
As carnes e com elas sangues

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês, é dor,
é cego e surdo e mudo

E o dia tão diário disso tudo

E se um dia a razão
Fria e negra do destino
Deitar mão
À porta, à luz aberta
Que te deixe liberta
E do pássaro se ouça o trino

Por te querer
Vou abrir em mim dois espaços
P´ra te dar
Enredo ao folhetim
A flor ao teu jardim
As pernas e com elas braços

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês, é dor,
É cego e surdo e mudo

E o dia tão diário disso tudo

Mas se tudo tem fim
Porquê dar a um amor guarida
Mesmo assim
Dá princípio ao começo
Se morreres só te peço
Da morte volta sempre em vida

Às vezes o amor
No calendário, noutro mês é dor,
É cego e surdo e mudo

E o dia tão diário disso tudo
Da morte volta sempre em vida

K disse...

O Sérgio Godinho é um poeta!!! (por acaso tenho que o voltar a ouvir sim!)

homesick.alien disse...

às vezes os dois. às vezes nenhum.

K disse...

Também, também! Às vezes tanta coisa, às vezes nada.

ti voglio bene! baci mille!

TT disse...

...sempre alguma coisa!

K disse...

Sempre qualquer coisa.