10 novembro 2008

Finding Mona

Maia
Setembro 2007



A demanda contra manifestações urbanas torna-se absurdamente cega quando decide substituir excelentes trabalhos que se enquadravam colorida e harmoniosamente com o meio envolvente, cobrindo-os sabe-se lá bem com quê, por um ambiente inospitamente cinzento. Haja tolerância e paciência para esta gente porque coitados não sabem o que fazem e não estavam presentes aquando da distribuição da inteligência e do bom senso! (a piada piadinha é ser uma câmara que até promove eventos de graffiti...vá a gente entender esta gente!)

6 comentários:

costah disse...

hehhehe
para mentes cinzentas, muros cinzentos..

opa fiz ai uma brincadeira nova na miguel bombarda..
hope you enjoy it..
peace

ines disse...

ola
lê este post, vais gostar. um blog de que gosto muito:
http://aervilhacorderosa.com/blog/2008/11/que_limpeza_1.html
bj*

K disse...

Costah, concordo completamente contigo! ;] E quanto ao novo trabalho já vi, já fotografei e gostei muito. Mas precisamos demais. Além disso são atracções turísticas. Só beneficiam a cidade! ;p

Inês, também conheço o blog! tenho que ir ver isso. bjo

Dalaiama disse...

K! K! K! :)))
Nós precisamos é de mais cabecinhas esplêndidas como a tua! Que abertura esclarecida tu tens para a vida! Agradecemos todos os seres humanos (writers, turistas e outros) pela tua boa energia!
;D

Dalaiama disse...

Sabes, olhando melhor para a fotografia, nem se vê bem que o homem está a remover o stencil com uma lixa (não sei se é isso).
O que parece é que está a acariciar o desenho!
As pessoas amam a arte! Até na hora da sua remoção não resistem a fazer-lhe umas festinhas hihihi :p

K disse...

Não não! O homem não está a remover o stencil. Aliás, o homem em questão é o autor do trabalho e está é a remover o que cobria o trabalho (que se desfazia facilmente e que não chegámos a entender muito bem o que era...cimento?), daí que te possa parecer que o está a acariciar...;]

Eu sei que o Costah tem as fotos dos trabalhos que lá estavam num sítio qualquer...tenho que lhe perguntar.