04 dezembro 2006

Para quem quiser saber

Rua da Vitória, Lisboa


Deliciei-me. Não só pela inovação e criatividade da intervenção, que recorre a algo tão comum e tipicamente português e que por isso mesmo se funde com o meio (até a mim, que já tenho um radar hipersensível, quase ía passando despercebido) mas também pela mensagem que pressupõe uma pergunta de alguém atento e preocupado num mundo em que cada vez mais as pessoas andam alheadas e enclausuradas nas suas redomas.
Eu, ao ficar ali parada de máquina em riste, fiz a minha parte ao chamar a atenção das pessoas que passavam.
A quem quer que se tenha lembrado disto, o meu muito obrigada. You made my day. Bem hajas.

17 comentários:

bisc8 disse...

porquê do sexo feminino??? fosga-se que mania... eu ca sou gaja e não me sinto vitima de nada! também não acho que as pessoas andem cada vez mais enclausuradas e alheadas. pelo contrário: cada vez mais atentas e criativas! mas lá está sou uma optimista incurável apaixonada pelo ser humano (e também pelos não humanos)! :] e mesmo que uma bomba atómica destrua esta cena toda amanhã, eu cá acho que já valeu a pena... até porque hoje fui ver cat power (uma gaja que canta mta bem) à aula magna e portanto já valeu mesmo a pena... ;)

K disse...

ó rapariga tem lá calma contigo. esse mau feitio faz-me lembrar alguém...;p

por acaso já tirei a parte de presumir que era do sexo feminino, por causa de outras teorias que surgem em conversa, e só o pus por causa do uso da palavra obrigado no feminino. tão simples quanto isso. não teve nada a ver com ser vítima ou deixar de ser vítima. essa foi a tua interpretação. a mim nem me passou pela cabeça.

quanto ao resto, há parte da sociedade, principalmente da geração mais nova que sim, está mais atenta, embora só alguns sejam realmente activos numa mudança. a restante sociedade, a maioria, está, a meu ver, como escrevi. e a época natalícia é um óptimo exemplo disso. mas os nossos pontos de vista podem divergir porque provavelmente os meios e as nossas experiências também são diferentes.

e acredita, sou tão crente e tão apaixonada quanto tu. e depois de ter visto Momix no sábado também me podia ter caído qualquer coisa em cima que não queria saber. ;)

K9 disse...

Folgo em saber!
Bjxxx

Zorze disse...

Sinceramente, não percebi a troca de galhardetes sobre o obrigado ou obrigada, mas pareceu-me irrelevante esse primeiro comentário. De qualquer forma, gostei da forma como casaste o texto com foto. É engraçado que estas coisas não consigo detectar com a mesma facilidade que tu. Está e continua, de facto, muito interessante este teu espaço de olhares despercebidos.

K disse...

Meu caro Zorze, passo a explicar. Inicialmente quando fiz o post escrevi que presumia que o autor desta intervenção fosse do sexo feminino (devido ao obrigada. um homem diz obrigado). Depois, e por em conversa com um amigo ter surgido a hipótese de a intenção ter sido pôr a frase com sendo da própria rua (que é feminino), e mesmo antes disso ter pensado que a justificação podia ser outra, decidi tirar. A bisc8 ainda apanhou o texto original e fez a interpretação dela.

Quanto ao detectar estas coisas meu caro, é preciso muito treino!! Garanto-te que antes não apanhava nem metade. Agora pareço maluquinha a olhar paredes, postes, caixas de electricidade e afins.

Ah! E muito obrigada pelo elogio. Fazes-me inchar. Não tarda levanto voo e bato com os cornos no tecto! ;P (hoje o meu humor 'tá do piorio!)

Zorze disse...

Tenho duas imagens porreiras, assim na onda das tuas; uma delas tenho no telemóvel e outra no portátil; vou ver se as envio para o teu mail.

Já agora, onde é que eu tenho mau feitio e não sou de fácil elogio?!?! :(

Beijos ***

K disse...

Ó meu lindo Zorzinho (até parece que te vou pedir alguma coisa), quem disse que tens mau feitio? E para mais, quando eu falo em mau feitio, é para ser levado como um elogio. Quer dizer apenas que é um feitio mais peculiar ;) Eu tenho muito orgulho no meu!

E depois, foste tu mesmo que disseste que não és de elogios fáceis. E o que eu depreendo daí é que és sincero, ou seja, que só os fazes quando achas que há uma razão válida para os fazer. Como vês, tenho uma óptima impressão tua! Até simpatizo contigo e tudo! ;p

Zorze disse...

Ó kzinhinhinhinhinhinha (atenção que isto exigiu muita concentração para escrever sem erros), é engraçado, mas também simpatizo contigo; se bem que nós nunca falámos muito - que se lixe: haverá mais oportunidades doravante!

bisc8 disse...

oi! sim deve ser uma mulher! peço desculpa mas nao tinha reparado no obrigada... mea culpa. quanto ao resto do comentário, é só porque ando mesmo sem paciência pá conversa do ser humano é uma merda! sorry! o blog tá mto fixe! ;)

K disse...

Ora bem Zorze, assim é que se fala. Conquanto kzinhinhinhinhinhinha (tive que fazer copy-paste) seja indizível...;p

bisc8: tudo bem linda, eu percebi. eu não acho que o ser humano é uma merda, mas acho que a maioria anda uma merda, e apenas porque quer. e isso deixa-me desiludida com a humanidade. porém, em contrapartida vamo-nos sempre cruzando com almas lindas e ricas. e essas sei que farão a diferença. ;))

Zorze disse...

E foram felizes para sempre...

- THE END -

Ainda bem que vocês fizeram as pazes - assim sempre é mais giro! ***

zamotanaiv disse...

hihihi!

a propósito dos azulejos:
Não me lembro onde mas já tinha visto uma intervenção da mesma artista de rua ou rua de artista.... em Lisboa, não me lembro o que dizia mas eram azulejos colados. Que pena não me lembrar.
Entretanto, tenho um amigo acabado de chegar de uma viagem pela america do sul
(costa Pacifica) que diz ter chegado a uma cidade onde existia um fenómeno de grafitti engraçado, o pessoal deixava recados nas paredes do género:

Juan di-le a mama que le deje dinero para comprar pan y que no se holvide de dar la comida al perro.

Pronto, era só isto...
Quando lhe roubar as fotos eu juro que mando.
abraços

K disse...

Zorze: mas quem é que se chateou? hmmm? ;)

Zamot: pena não lembrares. eu nunca tinha visto nada do género. e rouba lá as fotos que me deixaste assaz curiosa! quero ver!!

bisc8 disse...

Sim! Admito que ainda andam praí uns seres humanos (?) muito pouco recomendáveis. Não só os “lobos maus” facilmente detectáveis que violam os direitos dos humanos no Iraque ou em África. Mas também os “cordeirinhos” com que nos cruzamos no nosso dia-a-dia. Porque não basta ser sócio da Amnistia ou ser vegetariano para ser boa pessoa... Não é? É preciso muito e amor e respeitinho pelo outro... E isso é bem mais difícil do que pagar cotas à AMI. Luto conta isso todos os dias. No trabalho, na mercearia e até mesmo entre os meus amigos. Mas não deixo de olhar para o futuro com optimismo, porque também vejo o outro lado da moeda. E esse outro lado... é lindo! :]

bisc8 disse...

queria dizer "que violam os direito humanos" e não "que violam os direitos DOS humanos"... só pa corrigir!

K disse...

'Tás a ver? Eu sabia que a gente se entendia. ;)

Concordo plenamente contigo. Mas confesso que além de ser um pouco pessimista por natureza também já tive mais esperança. Talvez porque lide com um meio mais conservador, talvez porque quando falo de auto-conhecimento, crescimento interior, amor, sentimento e energia olhem para mim como se precisasse ser internada. Talvez porque não sinta da maior parte das pessoas um esforço real na mudança. Talvez porque já me tenha desiludido com determinadas "tribos" que supostamente se baseiam em determinados valores mas que acabam a ser tão superficiais como todos os outros.
No entanto, prefiro lutar, prefiro esforçar-me por ir contra a corrente, prefiro tentar fazer a diferença. Por muitos dissabores que isso me traga. E traz. Às vezes não é fácil.
Mas tal como tu acredito. Acredito que o ser humano pode ser muito mais do que é. Mas tem que querer. E o que anda a faltar é isso.

gajo disse...

olha ...





achei piada aos azulejos, a originalidade é coisa cada vez mais rara nos dias que correm.
:)